sábado, 14 de janeiro de 2017

Nostalgia: DC Heroes

A capa trazia aquele efeito laminado que fez sucesso nos anos 90.


     Os anos 90 foram anos muito bizarros. Foi uma boa década, não se engane, mas ela foi uma amálgama caótica de eventualidades e fragmentos de outros tempos. Os últimos dias da humanidade sem internet. Esse é o relato de como eu joguei o clássico RPG da Mayfair Games com o lixeiro da cidade.
     Nasci e cresci aos arredores da UFRRJ (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro), renomada em seus campos de especialização. Muitos gringos passam por aqui todos os anos. E na década de 90, um deles, colocou em uma estante, nos fundos da biblioteca da universidade, uma cópia do DC Heroes. Mas não fui eu a descobrir isso, vou chegar lá.
     Nesse período, os grupos de jogo eram muito isolados. Uma vez formados, perduravam em sua formatação, como se fosse uma sociedade secreta. Era algo muito imbecil, mas era mais ou menos assim: “cara, aquele grupo só joga Vampiro: A Máscara, não mexa com eles, pois ele se vestem de preto.” Outro grupo jogava apenas Tagmar, e se recusava a jogar Ad&d (acho que eles interpretavam como alguma forma de protesto nacionalista, veja só você).
     Por fim, me aproximei de outro grupo, pois um dos integrantes havia estudado na
A lista de poderes lembra o M&M

minha escola. Quando indaguei o que eles estavam jogando, ele me disse “DC Heroes”. De primeira, achava que era alguma adaptação usando o GURPS Supers ou mesmo um sistema caseiro. Mas então me deparei pela primeira vez com um RPG em sua língua original. “Como vocês conseguiram esse RPG? Nem sabia que isso existia!”- exclamei. Um dos meninos estudava na UFRRJ e encontrou o livro nas estantes da biblioteca. O mesmo rapaz que trabalhava como lixeiro para levantar uma renda extra para cobrir seus materiais de estudo e livros. Assim, todos na mesa tinham uma fotocópia do RPG. 
     Essa era a terceira edição do que na época era um dos mais renomados RPGs de supers lá fora. Tal gênero sempre teve grande apelo na gringa. Toda publisher do ramo (Steve Jackson Games, Talsorian, TSR), queria uma fatia desse nicho do nicho. O sistema do DC Heroes não era intuitivo (confesso), mas era fácil no final das contas, uma caso clássico de “aprender jogando”. Escravo de tabelas como quase todos os jogos desse período, soma-se o lance de 2D10 (se rolar números iguais, rola-se novamente e continue rolando e somando). Depois, consultava-se 2 tabelas-irmãs: a Tabela de Ação para saber se houve êxito no teste e em seguida, a Tabela de Resultado, para verificar o quão bom foi seu êxito. Essa era a coluna vertebral do sistema.

          
A linha temporal vigente na época, no universo DC, era a saga da Morte do Superman e o livro trazia as estatísticas do elenco principal. A minha campanha que mais perdurou, foi nesse período, quando li todo o arco lançado pela Abril Jovem e aproveitei os ganchos para ilustrar um cenário tomado pelo caos criado pela morte do kryptoniano e as consequências de tal evento. Anos depois ainda encontrei em um sebo no centro do Rio de Janeiro uma aventura pronta por R$ 10,00 e tenho planos de voltar a jogar utilizando ela, pois infelizmente o DC Heroes está parado na minha estante por uma década já. Nossa, como o tempo voa…

Abraço e bons jogos a todos!       

4 comentários:

  1. Boa matéria,
    Mestrei durante muito tempo Gurps Supers, mas sempre tive curiosidade de conhecer o DC Super Heroes e aquele outro jogo de Rpg da Marvel que usava cards (lembro de uma época em que encontrei esse material traduzido na net, por fãs), pena nunca ter tido acesso a estes dois materiais, embora sabendo agora do uso de tabelas em DC Super Heroes, a vontade tenha diminuído bastante...rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, Igor. Joguei muito o Gurps Supers também. Em breve, ele terá resenha. Esse da Marvel que mencionou eu ouvi falar na época, mas nunca joguei. E sim, o DC Heroes é fruto de seu tempo, usando consulta das tabelas em TODOS os testes. Pelo menos são apenas duas. Obrigado por comentar e acompanhar o blog. Abraço!

      Excluir
  2. Olá, amigões!
    Eu joguei DC Heroes RPG por muitos anos. Foram dias muito legais! Ainda tenho alguns suplementos bacanas, como o jla sourcebook, o superman sourcebook e algumas aventuras prontas da Mayfair! Ainda vou reunir meus amigos para uma nova aventura!
    O DC 3a edição tem uma continuação chamada blood of the heroes, mas não contam mais com a ambientação e os personagens da DC. Vende na amazon.com
    Tem também um wikipedia do DC RPG que explica várias regras, manobras de combate, fichas pre e pos crise, etc. Gostei e deixo aqui o link. http://dcheroesrpg.wikia.com/wiki/DC_Heroes_RPG_Wiki
    Gostaria de deixar aqui uma dica. No site https://pt.scribd.com/ há vários RPGs de dc, marvel, palladium, D&D, conan rpg, etc. Entretanto, não sei se pode fazer um download para o pendrive ou imprimir do site. Perguntei a eles se pode mas não me responderam. Voces, do tomos de sabedoria, sabem se é possivel fazer download ou imprimir neste site? Parece muito interessante e o site não é pirata!
    E voces poderiam fazer uma matéria sobre o clássico Marvel da TSR, o famoso Marvel FASERIP? Joguei por muito anos também. Era muito legal!
    Muito obrigado pela atenção!
    Abraços,
    Frank "O Alienígena".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa, não sabia que o jogo teve um sucessor espiritual. Vou conferir. Infelizmente não tive contato direto com o Marvel dá TSR. Vou verificar o site com o material disponível. A princípio, parece ser apenas material descontinuado. Irei me informar quanto aos direitos autorais nesse caso. Daria um bom post esse assunto. Abraço!

      Excluir