quarta-feira, 12 de abril de 2017

Papo de Monstro - It, a Coisa

Olá, pessoal! Mais uma edição da coluna Papo de Monstro chegando.

E hoje, quebrando a sequência de monstros criados para o RPG, vamos para a literatura e o cinema com um monstro que deixou sua marca nessas duas mídias.

"O rosto do palhaço no bueiro era branco, havia tufos engraçados de cabelo vermelho de cada lado da cabeça careca e havia um grande sorriso de palhaço pintado sobre a boca.
O palhaço segurava vários balões de todas as cores, como lindas frutas maduras, em uma das mãos. Na outra, segurava o barco de papel de George.
— Quer seu barco, Georgie? — O palhaço sorriu."

Criado por Stephen King para o livro "It" (A Coisa) de 1986, a Coisa é uma entidade milenar que se alimenta de crianças e habita a cidade de Derry, no Maine. Uma de suas principais habilidades é ser capaz de mudar sua forma física como quiser, podendo se transformar em pessoas, monstros ou qualquer outra coisa. Isso deu origem à sua forma mais conhecida: o palhaço Pennywise.

Pennywise, o palhaço dançarino
Apesar de Pennywise ser um dos mais assustadores palhaços da ficção, ele está longe de ser o primeiro. O arquétipo do "palhaço maligno" tem suas primeiras aparições em obras do século XIX, algumas das principais delas sendo "La femme de Tabarin" de 1874, composta por Catulle Mendès; e "Pagliacci" de 1892, de autoria de Ruggero Leoncavallo.

Mas a escolha de um palhaço por King não foi apenas para seguir essa tradição, como explicou J.S. Mackley, professor da universidade de Northampton, em seu trabalho "The Fears of the Clown":

"Falando sobre o palhaço assassino, o próprio King afirmou que ele criou Pennywise porque achava que as crianças tinham mais medo de palhaços do que de qualquer outra coisa no mundo." (Traduzido de: http://nectar.northampton.ac.uk/9062/1/Mackley20169062.pdf)

Em entrevista ao jornal "Bangor Daily News", King confirmou essa afirmação e também tentou explicar o porquê desse medo de palhaços existir:

"Eu escolhi o palhaço Pennywise para ser o rosto que o monstro revela para as crianças porque elas adoram palhaços e, ao mesmo tempo, morrem de medo deles (...) Um palhaço não é engraçado fora do contexto do circo. Se eu visse um palhaço embaixo de uma ponte (ou em um bueiro) eu ficaria morrendo de medo."
(Traduzido de: http://bangordailynews.com/2016/09/08/news/state/please-dont-send-in-the-clowns-stephen-king-reacts-to-carolina-scare/)

Pennywise não só "se alimentou" desse medo como também definiu o padrão de palhaço assustador que temos hoje na cultura pop, influenciando até mesmo um monstro de D&D 3.5: o Gray Jester.

Gray Jester. Palhaço do mal em D&D
A influência de It (e da obra de King como um todo, na verdade) no mundo dos RPGs não se limita a esse monstro. Ela também se faz muito presente em jogos como Little Fears, que coloca os jogadores na pele de crianças enfrentando monstros que são "invisíveis" para os adultos e que representam medos e problemas típicos da infância. Outro sistema parecido é Troublemakers, um hack de Apocalypse World para aventuras de crianças no estilo "Conta Comigo", outro livro de King.

Bom pessoal, vamos ficar por aqui em nossa primeira viagem por outras mídias. Nas próximas colunas, voltaremos ao RPG para falar de um dos meus monstros favoritos e para atender à pedidos. Aproveitem e peçam seus monstros nos comentários.

Até a próxima, galera.


Nenhum comentário:

Postar um comentário